20-12-2019

Mulheres negligenciadas

Lynn Enright teve uma histeroscopia para examinar o interior do útero, apresentava uma dor lancinante, mas, mesmo assim, foi dispensada pelos médicos. Ela imaginou ter descoberto o porquê, ao começar a trabalhar em seu livro  sobre anatomia feminina, Vagina: A Reeducação – quando procurou pesquisas sobre dor e saúde da mulher.  

O que descobriu: o problema da dor feminina é insuficientemente pesquisado.

Além disso, há falta de evidências científicas nesses estudos, situação com a qual se deparou repetidas vezes.  No Reino Unido, menos de 2,5% da pesquisa com financiamento público é dedicada exclusivamente à saúde reprodutiva, apesar de uma em cada três mulheres sofrer de problemas relacionados a ela. 

Há cinco vezes mais pesquisas sobre a disfunção erétil, que afeta 19% dos homens , do que sobre a síndrome pré-menstrual, que afeta 90% das mulheres.

Negligencias

 “As mulheres foram lamentavelmente negligenciadas nos estudos sobre dor. A maior parte do nosso entendimento das doenças vem da perspectiva dos homens; é predominantemente baseado em estudos sobre homens, realizados por homens ”, diz Enright.

Não foi uma surpresa que a situação no Reino Unido esteja desse jeito. Dado que nos EUA, que produzem muitas pesquisas médicas, os Institutos Nacionais de Saúde não exigiram a inclusão de mulheres até 1993. 

Mas por que a lacuna de saúde de gênero ainda existe? Andrew Horne, professor de ginecologia e ciências da reprodução na Universidade de Edimburgo, argumenta que as disparidades de financiamento continuam sendo um problema.

“Historicamente, embora isso tenha melhorado, os principais órgãos de financiamento, como o Conselho de Pesquisa Médica, os Institutos Nacionais de Saúde e o Wellcome Trust não favoreceram particularmente a pesquisa em saúde reprodutiva”, diz ele.

"Acho que está mudando agora, mas por muito tempo os paineis foram compostos por homens que não estavam cientes da pesquisa em saúde reprodutiva. Muito financiamento foi para condições que afetavam homens e mulheres, ou apenas homens. ”

Fonte: The Guardian 


Esta página teve 147 acessos.

(11) 4349-9983
cbio@cremesp.org.br
Twitter twitter.com/CBioetica

Rua Frei Caneca, 1282 - Consolação - São Paulo/SP - CEP: 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO - (11) 4349-9900 das 9h às 20h

HORÁRIO DE EXPEDIENTE - das 9h às 18h