21-02-2019

Estigma em Psiquiatria

Em relação à matéria publicada em oito de fevereiro, em O Estado de S. Paulo, intitulada “Texto de Ministério da Saúde dá aval ao eletrochoque”, o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo esclarece que a utilização da eletroconvulsoterapia (ECT) – ainda cercada por estigmas e oposições de cunho ideológico e não científico – apresenta respaldo científico substancial para seu emprego, sendo, inclusive, regulamentada pela resolução 2057/2013, do Conselho Federal de Medicina. 

Na verdade sua não realização, de forma adequada pelo médico, é passível de processo ético-profissional.

Foi o Ministério da Saúde que coordenou a elaboração da norma técnica ainda e, 2018, contando com a contribuição de especialistas. Especificamente sobre a ECT, reconheceu a importância clínica deste tratamento. 

Entre outros resultados, a eletroconvulsoterapia pode mitigar taxas de readmissão hospitalar e salvar vidas, assim como a cardioversão elétrica na cardiologia.

Para além de preconceitos e qualquer tipo de militância, a ECT é uma modalidade de tratamento eficiente e de rápida resposta clínica. Pode ser considerada alternativa concreta para doenças como catatonia e depressão grave, principalmente. Diversas metanálises demonstraram que o ECT é mais eficaz que a farmacoterapia e do que outros tratamentos nesses casos selecionados.

Veja a íntegra da nota publicada no Site do Cremesp


Esta página teve 73 acessos.

(11) 4349-9983
cbio@cremesp.org.br
Twitter twitter.com/CBioetica

Rua Frei Caneca, 1282 - Consolação - São Paulo/SP - CEP: 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO - (11) 4349-9900 das 8h às 20h

HORÁRIO DE EXPEDIENTE - das 9h às 18h