20-12-2017

Exagero em rastreamentos

Quase uma em cada cinco mulheres com comprometimento cognitivo grave, incluindo pacientes muito idosas e em fase terminal de vida, estão recebendo prescrições para mamografias regulares, de acordo com o American Journal of Public Health – embora, nos EUA, o procedimento não seja recomendado para pessoas com expectativa de vida limitada.

Além disso, 55% dos homens idosos e com alto risco de morte próxima continuam sendo testados quanto ao antígeno prostático específico (PSA), para detectar câncer de próstata.

Entre as pessoas nos anos 70 e 80, os exames de câncer muitas vezes detectam tumores de crescimento lento, e que provavelmente não causariam problemas nas vidas dos pacientes que, em geral, morrem de outra coisa – de demência à doença cardíaca até a pneumonia – muito antes de seus cânceres terem se tornado uma ameaça, disse a Dra. Deborah Korenstein, chefe de medicina geral em Memorial Sloan Kettering Cancer Center em Nova York. .

De acordo com a especialista, os cânceres de próstata, em particular, são muitas vezes inofensivos neste público. "Geralmente, leva cerca de 10 anos para se beneficiar da triagem do câncer, pelo menos, em termos de diminuição da mortalidade", explicou Korenstein.

“Entusiasmo”
No entanto, o entusiasmo pelo rastreamento de câncer é alto entre os pacientes e os médicos, que tendem a superestimar os benefícios, mas subestimarem os riscos.

Embora os exames possam se estender e melhorar vidas para adultos mais saudáveis ​​e mais jovens, o rastreamento e seus resultados tendem a infligir mais danos em pessoas mais velhas e frágeis, disse o Dr. Korenstein, levando à ansiedade desnecessária; procedimentos invasivos, no acompanhamento, e a tratamentos severos.

Conforme reportagem trazida pelo New York Times, em paciente na faixa dos 80, com outras condições crônicas, "é altamente improvável obter qualquer benefício do rastreio e mais provável que os danos superem os benefícios", concordou o Dr. Cary Gross, professor da Escola de Yale de Medicina .

Supervalorizados
Ao rastrear pacientes perto do final da vida, os médicos geralmente detectam tumores que não precisariam ser encontrados e tratados. Os pesquisadores estimam que até dois terços dos cânceres de próstata sejam diagnosticados em excesso neste público, juntamente com um terço dos tumores mamários. ”O excesso de diagnóstico é grave", disse o Dr. Gross. “É um tremendo prejuízo que a triagem impôs”

Além disso, pacientes com câncer terminal continuam a ser testados para outras doenças malignas. Em um estudo de 2010, 9% das mulheres com câncer avançado, incluindo tumores do pulmão, cólon ou pâncreas, receberam uma mamografia e 6% por cento foram recomendadas a exames para o câncer cervical.

Fonte: The New York Times


Esta página teve 483 acessos.

(11) 4349-9983
cbio@cremesp.org.br
Twitter twitter.com/CBioetica

Rua Frei Caneca, 1282 - Consolação - São Paulo/SP - CEP: 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO - (11) 4349-9900 das 8h às 20h

HORÁRIO DE EXPEDIENTE - das 9h às 18h