09-06-2017

Sem microcefalia

Novo estudo realizado por pesquisadores da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (FAMERP) verificou que um grupo de 55 gestantes infectadas com o vírus Zika deram à luz bebês sem microcefalia.

Em 28% dos casos os bebês nasceram com alguma alteração neurológica, mas com sintomas muito mais leves do que os que acometeram os recém-nascidos do Nordeste e do Rio de Janeiro.

Conforme o virologista Maurício Lacerda Nogueira, coordenador do estudo, “não tivemos nenhuma daquelas manifestações gravíssimas que haviam sido vistas antes”. Tais resultados foram apresentados em evento organizado pela Fundação Paulista de Fomento à Pesquisa (FAPESP).

Ainda não se sabe que motivos causaram tal diferença, em relação a gestantes de outros Estados. “Temos algum cofator, mais não sabemos ainda qual”, ressaltou Nogueira.

As hipóteses vão da presença de outras doenças que podem levar à malformação (como sífilis e toxoplasmose) em meio às gestantes do Nordeste, até de infecções anteriores pelos vírus da dengue ou chikungunya, capazes de alterar a reação do organismo da mãe, perante outro invasor.

Fonte: Folha de SP


Esta página teve 186 acessos.

(11) 5908-5647
cbio@cremesp.org.br
Twitter twitter.com/CBioetica

Rua Luís Coelho, 26 - Consolação - São Paulo/SP - CEP: 01309-000

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO - (11) 5908-5600 das 8h às 20h

HORÁRIO DE EXPEDIENTE - das 9h às 18h