05-09-2013

Há riscos éticos e práticos em realizar-se parto normal em casa?

O que dizer sobre parteiras contemporâneas que oferecem a realização do parto em domicílio?

É consenso no Cremesp, na Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) e na Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), entre outras entidades, que o parto normal deve ser promovido em ambiente hospitalar, visando a prevenir –ou a atender prontamente– possíveis intercorrências durante o processo de dar à luz.

Sabe-se que o parto é um evento natural que, durante seu transcurso, pode apresentar inúmeras intercorrências perfeitamente sanáveis, desde que haja estrutura adequada de retaguarda, impossível de se obter em domicílio.
Dessa forma, torna-se extremamente temeroso a realização de um procedimento tão importante – e que envolve duas vidas–, sem o necessário respaldo técnico e estrutural.

Vale lembrar que, além do médico, a legislação permite aos profissionais de enfermagem acompanharem o trabalho de parto e realizem o parto por via vaginal.

Baseado no Parecer Consulta nº 142.401/10, do Cremesp


Esta página teve 2076 acessos.

(11) 5908-5647
cbio@cremesp.org.br
Twitter twitter.com/CBioetica

Sub-sede: Rua Domingos de Moraes, 1810 - Vila Mariana - São Paulo/SP - 04010-200

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO - (11) 5908-5600 das 8h às 20h

HORÁRIO DE EXPEDIENTE - das 9h às 18h