21-03-2019

Fetus-in-feto

Aos sete meses de gestação, a colombiana Mônica Vega foi submetida à ultrassonografia de abdome, para sanar a suspeita de que sua filha estaria desenvolvendo um cisto no fígado. Ao verificar as imagens, a equipe médica foi surpreendida por dois cordões umbilicais, ainda que a mulher não estivesse esperando gêmeos. 

Foi então que se identificou uma condição rara, conhecida como fetus-in-feto, na qual, como próprio nome diz, um feto se desenvolve dentro de outro, como resultado inesperado de uma gravidez gemelar não concretizada. Um dos diferenciais do caso de a bebê Itzamara é que, como a anomalia foi descoberta antes do seu nascimento, foi possível realizar-se cesárea emergencial para evitar riscos à sua saúde, além de outra cirurgia, com o objetivo de retirar a “irmã” alojada em sua barriga. 

Em geral, o “feto parasita” é identificado apenas após o nascimento. A literatura médica demonstra que este pode ter várias partes do corpo formadas, como vértebras, cabeça e membros. No caso de Itzamara, a gêmea tinha cabeça e membros desenvolvidos, mas não tinha cérebro ou coração. 

“Estranho”

Conforme explicou à imprensa local Miguel Parra-Saavedra, especialista em gravidez de alto risco, a anomalia congênita acontece quando a divisão do zigoto não ocorre da maneira esperada. Se não for identificada a tempo, pode colocar em risco a gestação. “É um dos casos mais estranhos que vemos em medicina fetal. As células que iriam formar as gêmeas não se dividiram no momento adequado”. 

A probabilidade desse fenômeno acontecer é de uma em cada 500.000 gestações, informa artigo publicado na revista científica British Medical Journal.

Fonte: Revista Veja 


Esta página teve 37 acessos.

(11) 4349-9983
cbio@cremesp.org.br
Twitter twitter.com/CBioetica

Rua Frei Caneca, 1282 - Consolação - São Paulo/SP - CEP: 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO - (11) 4349-9900 das 8h às 20h

HORÁRIO DE EXPEDIENTE - das 9h às 18h