05-12-2018

De novo, na China

Agora são os bebês geneticamente “programados”. Antes, foram as propostas de transplante de cabeça e o surgimento dos primeiros primatas clonados do mundo, entre outras notícias constrangedoras no campo ético. 

O biofísico He Jiankui – até então considerado como cientista sério, que aprimorou sua educação com bolsa nos EUA, inclusive, com pós-doutorado em Stanford – assombrou o mundo, em 26 de novembro, ao anunciar que alterou geneticamente genes das gêmeas identificadas como Nana e Lulu, nascidas em novembro. 

Durante a apresentação do seu experimento aos pares e à imprensa, em conferência lotada em Shenzhen, China (desde a qual, aliás, He se encontra com paradeiro desconhecido, gerando a especulação de que esteja detido), o pesquisador afirmou que alterou os embriões de sete casais, para tentar dar uma característica que poucas pessoas têm naturalmente: a capacidade de resistir a “uma possível infecção futura pelo HIV”, visto que seus pais são portadores dos vírus. 

Ao contrário do que se apregoa em Ciência, a experiência de He Jiankui não foi divulgada em publicação científica: os detalhes foram inicialmente trazidos em veículos não convencionais, como Youtube e entrevistas exclusivas à Associated Press, nos quais o estudioso afirmou sentir “uma forte responsabilidade de não apenas fazer uma primeira pesquisa, mas torna-la um exemplo”. 

Para ele, seria a sociedade quem “deveria decidir o que fazer a seguir”. 

Pega de surpresa
Como a maioria dos envolvidos e outros mortais, representantes da Universidade de Ciência e Tecnologia de Shenzen, na qual He realiza seus experimentos, afirmaram que a instituição “não foi comunicada das pretensões da pesquisa” e que, por isso, seria aberta uma investigação. Tal desconhecimento foi confirmado pelo próprio He durante a conferência internacional, quando afirmou que seus avanços foram financiados pelo “próprio bolso”.  

No meio científico sabe-se que muitos cientistas na China dizem que o empenho para ter sucesso é tão forte que o lema adotado é “faça primeiro, debata depois”. Ainda assim até seus compatriotas demonstraram-se bastante descontentes: 100 colegas daquele país denunciaram a pesquisa, considerando que foi “longe demais” na inconsequência. 

Wang Yifang, especialista em ética médica na Escola de Ciências Médicas da Universidade de Pequim, chegou a questionar: “ele estudou nos EUA, por que fez isso apenas na China?”. Para ele, tal possibilidade foi estimulada pela lacuna na supervisão ética local, “que não é muito rigorosa, sendo que alguns a consideram até dispensável”. 

Outro professor de renome da mesma univesidade, Wang Yue, também confirmou que muitos cientistas locais não têm consciência da ética médica e das leis e regulamentos relevantes para seus campos – e não se demonstram dispostos a ouvir o mundo exterior, incluindo, os comitês de ética. “Muitos são ousados e pensam na Ciência como seu reino independente”. 

Além do total descaso ético – leia-se, a imprevisibilidade sobre as consequências futuras para os bebês e seus descendentes –, a utilidade da pesquisa também foi questionada, já que outros métodos consagrados (como a lavagem de esperma) já se encontram disponíveis para evitar transmissão do vírus da AIDS em reprodução assistida. 

Apesar de todo o barulho do anúncio, há também dúvidas sobre o “sucesso” da empreitada. Alguns pesquisadores que revisaram os materiais dizem não ser possível afirmar que os genes foram realmente editados. 

Entre as consequências mais importantes do imbróglio esteve a intenção anunciada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) de criar painel científico para refletir sobre como evitar que experiências como esta sejam levadas à frente, e sugerir punições. 

Como disse Wang Yuedan, professor de imunologia da Universidade de Pequim, “o que aconteceu desta vez foi um desastre de ética para o mundo, mas talvez encoraje cientistas de pesquisa biomédica, inclusive, os da China, a prestarem mais atenção às diretrizes éticas em relação ao corpo humano”. 

Fontes: New York Times; O Globo; e Veja 


Esta página teve 19 acessos.

(11) 4349-9983
cbio@cremesp.org.br
Twitter twitter.com/CBioetica

Rua Frei Caneca, 1282 - Consolação - São Paulo/SP - CEP: 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO - (11) 4349-9900 das 8h às 20h

HORÁRIO DE EXPEDIENTE - das 9h às 18h