26-06-2018

Melatonina e tumores

Avaliar a capacidade das células tumorais de produzir o hormônio melatonina pode se tornar uma estratégia inovadora de medir o grau de malignidade em alguns tipos de câncer, entre eles tumores do sistema nervoso central, pulmão, intestino, pâncreas e bexiga.

Em estudos conduzidos no Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (IB-USP), o grupo coordenado pela professora Regina Pekelmann Markus mostrou que, nesses casos, o nível de expressão dos genes codificadores das enzimas que sintetizam e degradam melatonina permite predizer que tumores menos agressivos produzem maior quantidade desse hormônio.


As análises revelaram ainda que a maior produção local se correlacionava com uma maior sobrevida dos pacientes.

 

A pesquisadora abordou o tema em maio, em congresso “Next Frontiers to Cure Cancer”, promovido pelo A.C.Camargo Cancer Center em São Paulo. Entre os estudos que promoveu com a melatonina desde o início dos anos 1990, está um que aponta a importância da produção periférica do hormônio na regulação de processos inflamatórios em diferentes contextos fisiológicos e fisiopatológicos.


Fonte: Agência Fapesp


Esta página teve 41 acessos.

(11) 5908-5647
cbio@cremesp.org.br
Twitter twitter.com/CBioetica

Rua Frei Caneca, 1282 - Consolação - São Paulo/SP - CEP: 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO - (11) 5908-5600 das 8h às 20h

HORÁRIO DE EXPEDIENTE - das 9h às 18h