25-01-2018

Morte cara

Brittany Maynard tornou-se a inspiração aos legisladores da Califórnia, EUA, quando, três anos atrás, teve que se mudar para o Óregon para receber a prescrição letal que, em sua visão, a livraria das consequências terminais de um câncer de cérebro.

Agora seu marido, Dan Diaz, ativista pela “Morte com Dignidade”, lamenta que a aprovação da Lei, no ano passado, não significou a realização do desejo dos californianos que solicitaram eutanásia – e atendem aos devidos protocolos. “Os pacientes estão descobrindo as dificuldades em acessar médicos e/ou a medicação”, afirmou.

Isso porque o coquetel de medicamentos “está disponível, mas é extremamente caro”, informou a médica Lynette Caderquist, da Universidade da Califórnia, em San Diego. “A receita pode representar um custo de US$ 3.000 a US$ 4.000”.

Outro dificultador: há médicos e hospitais com mantenedor religioso que alegam “objeção de consciência” para não realizarem as prescrições: para Lori Dangberg, que representa a Aliança Católica para Cuidados em Saúde (que agrega as instituições médicas católicas da Califórnia), deve haver mais educação e treinamento aos profissionais que lidam com a fase final da vida.

“É preciso oferecer aos pacientes serviços para que eles e suas famílias se sintam apoiados durante todo o percurso”, ponderou Dangberg.

Fonte: CBS News


Esta página teve 283 acessos.

(11) 5908-5647
cbio@cremesp.org.br
Twitter twitter.com/CBioetica

Rua Frei Caneca, 1282 - Consolação - São Paulo/SP - CEP: 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO - (11) 5908-5600 das 8h às 20h

HORÁRIO DE EXPEDIENTE - das 9h às 18h