15-08-2018

É permitido escolher o sexo de embrião a ser implantado em reprodução assistida, para diminuir a chance de autismo?

A colega questiona, enfim, sobre a utilização do método de "sexagem" na técnica de reprodução assistida, para diminuir a chance de doença mais prevalente no sexo masculino.

Conforme item VI dos Princípios Gerais da Resolução CFM Nº 2.168/2017 – que adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida (que substituiu a Resolução CFM Nº 2.121/15, mencionada no parecer original) – tais técnicas podem ser aplicadas à seleção de embriões submetidos a diagnóstico de alterações genéticas causadoras de doenças.

Isso significa que, embora não seja proibida a seleção embrionária mediante circunstâncias médicas estritas, no caso específico do autismo, a escolha de um embrião feminino não assegura a ausência da doença – apesar de mais comum no sexo masculino.

Resposta baseada no Parecer Consulta nº 124.384/17, do Cremesp. 


Esta página teve 33 acessos.

(11) 5908-5647
cbio@cremesp.org.br
Twitter twitter.com/CBioetica

Rua Frei Caneca, 1282 - Consolação - São Paulo/SP - CEP: 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO - (11) 4349-9900 das 8h às 20h

HORÁRIO DE EXPEDIENTE - das 9h às 18h